VW apresenta E-Bugster, o Beetle elétrico e conversível

Conceito tem autonomia de 180 km na cidade

O carro é verde, a propulsão elétrica é Blue-eMotion e o visual arrojado é alvinegro

A esportividade nunca esteve tão explícita em um Beetle quanto na atual geração. E no Salão de Pequim, a VW decidiu mostrar que é possível manter essa mesma “pegada” na versão conversível e elétrica do carro. Por isso criou o E-Bugster,
um protótipo dois-lugares com motor de 85 kW capaz de fazer o besouro
atingir os 100 km/h em 10,8 segundos. A unidade de propulsão elétrica é
chamada de Blue-eMotion e passará a integrar modelos da marca já em 2013
– o Golf será um dos veículos a usar a identificação.

A autonomia da bateria do protótipo é de 180 km no trânsito
urbano e a recarga na função rápida leva 35 minutos – mas só pode ser
realizada em estações adaptadas. Aqueles que preferirem uma solução
caseira, poderão plugar o E-Bugster em tomadas de 120 volts (EUA) ou 230
volts (Europa). A VW afirma que o “Fusquinha” usa um sistema de carga
combinado, projetado junto com Audi, BMW, Daimler, Porsche, Ford e GM.
Esse novo conceito exige uma padronização dos plugues de conexão, o que
pode ajudar a reduzir custos e facilitar a popularização dos carros
elétricos. Toda energia do E-Bugster vem de baterias de íon de lítio
instaladas atrás dos bancos dianteiros. Freios regenerativos atuam na
recuperação dessa energia.

O Beetle conversível sofreu acanhadas alterações nas dimensões. Ficou
com menos de 1,4 m de altura (ante 1,486 m da versão com teto rígido) e
1,838 m de largura (contra 1,808 m). O comprimento, de 4,278 m, foi
mantido. Os faróis de led do modelo de produção também marcam presença,
embora a moldura não traga as lâmpadas de uso diurno. Essa iluminação
foi deslocada para a parte inferior do para-choque: duas faixas de led
foram posicionadas nas laterais da tomada de ar. Os elementos visuais
com formato que lembra um “C” reforçam a beleza do E-Bugster – e são
repetidos no para-choque traseiro, como refletores. Completam o visual
atrevido as rodas de 20 polegadas calçadas por pneus 235/ 35 R20 e a
faixa cromada que contorna todo o modelo na altura da base das janelas.

No interior, os assentos esportivos são da cor da carroceria e
há aplicação de alumínio nas maçanetas e guias dos cintos. Quando a
partida é acionada, uma luz pisca no painel de instrumentos. Em seguida,
a cabine é tomada por iluminação branca que, depressa, cede lugar a
outra, azul.

O Beetle com teto rígido está previsto
para chegar ao Brasil no próximo semestre, enquanto o conversível (com
motor a propulsão) é esperado para o ano que vem.

Fonte: Revista AutoEsporte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *