Carros elétricos estão na mira das grandes montadoras

Recentemente, Bob Lutz, vice-presidente da General Motors, considerado
um dos gurus do setor automobilístico, rendeu-se ao óbvio e afirmou que
“os carros elétricos são considerados os veículos do futuro”. A frase,
na verdade, soa datada. Os veículos elétricos já fazem parte do presente
e parte do setor já começa a fazer planos de investimentos, inclusive
no Brasil.

Gigantes do segmento, como a Renault-Nissan e a Mitsubishi já mostraram interesse em vender carros totalmente elétricos, que precisam apenas de bateria recarregável.

O setor automotivo, inclusive, faz lobby para tentar convencer o governo brasileiro a estender a redução de impostos também para os “modelos verdes”. A presidente Dilma Rousseff, porém, acha arriscado baixar a carga tributária para um setor que ainda não conta com infraestrutura adequada para crescer – é preciso criar primeiro pontos
de recarga em áreas públicas, por exemplo.

Atrativos não faltam ao carro elétrico, principalmente para o bolso do consumidor. Pesquisas mostram que abastecer um carro elétrico para percorrer uma distância entre 160 km e 180 km, custa algo em torno de R$ 10. O motorista, portanto, gastaria apenas R$ 0,06 por km rodado, um número consideravelmente mais baixo do que os cerca de R$ 0,30
desembolsados por quilômetro para rodar um carro com etanol.

Para carregar a bateria de um carro elétrico, que tem autonomia de até 180 km, o consumo fica em torno de 24kWh, o que equivale, segundo os pesquisadores, a deixar um chuveiro elétrico ligado por sete a oito horas.

“É importante também deixar claro que essa recarga de bateria pode ser feita com o carro em movimento. Existe tecnologia para isso”, afirma Vitor Gardiman, gestor executivo de desenvolvimento tecnológico da EDP no Brasil, que acaba de instalar o primeiro eletroposto de recarga rápida de veículos com sistema de billing (cobrança) e
ferramentas de planejamento elétrico.

Além da economia, existe a questão sustentável. “A produção em massa de carros elétricos será uma oportunidade única para disseminar o uso de fontes renováveis”, afirma Gardiman. “A visão de um mundo sustentável passa obrigatoriamente pela troca dos carros a combustão pelos elétricos”, reforça o executivo da EDP no Brasil.

Fonte: Terra

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *