Carro elétrico ganha chance com nova lei, diz especialista

No fim de maio, o governo publicou decreto incluindo híbridos e elétricos no cálculo médio de eficiência energética, que prevê redução de impostos para as montadoras que conseguirem reduzir o consumo de seus carros em ao menos 12% até 2017. Para Pietro Erber, presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), a medida deve, enfim, fazer o segmento embalar no país.

Nissan Leaf, totalmente elétrico, integra frota de táxis em São Paulo

Folha – Qual será o reflexo da medida no mercado nacional?
Pietro Erber – O governo mostra que não irá desembolsar dinheiro
para incentivar a venda de carros com motor elétrico, como ocorre nos
EUA. Mas a medida estimulará as montadoras a ofertarem esse tipo de
produto no mercado, o que deve despertar a atenção do consumidor,
alavancando as vendas.

Como será esse cálculo de eficiência energética?
Será uma média ponderada baseada no volume de vendas, mas é possível que
os elétricos tenham um peso maior. A questão parece estar ainda em
negociação.

Isso abre caminho para elétricos nacionais e híbridos flex?
Em quatro meses, a Toyota vendeu cerca de 150 unidades do híbrido Prius,
que custa R$ 120 mil. As vendas do segmento precisam se tornar
expressivas para que as fábricas de autopeças sejam estimuladas a
produzir componentes, como as baterias, algo que deve levar ao menos
quatro anos. Já o híbrido a etanol seria muito eficiente e relativamente
simples de ser desenvolvido, mesmo no exterior. Mas a tecnologia ainda
seria cara, o que tornaria o produto atraente só para quem roda muito.

Fonte: Folha de S.Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *