Vencedor da 1ª prova da Fórmula E, Di Grassi diz: ‘Minha intenção não era fazer história’

Lucas Di Grassi ficou com a vitória na prova em Pequim

Vencedor da primeira prova da história da Fórmula E, em setembro, em
Pequim, o brasileiro Lucas Di Grassi (Audi Sport ABT) concedeu
entrevista à Agência Efe na qual disse que não esperava entrar para a história e que seu intuito é o de vencer todas as corridas que disputa.

Em entrevista dada em Kuala Lumpur, Di Grassi falou sobre assuntos
relacionados com a nova categoria, como motores elétricos, e como se
sentiu ao subir ao lugar mais alto do pódio na capital chinesa, depois
de o francês Nicolas Prost (e.dams-Renault) e o alemão Nick Heidfeld
(Venturi) terem se chocado na última curva.

A Fórmula E está nesta semana em Putrajaya, capital administrativa da Malásia, onde no domingo
acontecerá a segunda de nove etapas do novo campeonato.

Agência Efe: Como é a sensação de pilotar um carro elétrico?
Resposta: É muito similar à de qualquer outro carro de corridas. Tem a aceleração
apropriada, passa de zero a cem quilômetros por hora em três segundos. E
é muito rápido também. A única diferença é a bateria. É preciso
administrá-la com muito cuidado, pensar muito bem como e quando usá-la.
Pode ser que no começo da corrida vá rápido demais e use mais energia
que o necessário. Pode ser que ela seja desperdiçada e no final faça
falta, fazendo perder posição. Isso tem papel vital nestas corridas.

Efe: Você fez história ao se tornar o primeiro vencedor de uma corrida com motores elétricos. O que isso representou para você?
R: Foi uma grande vitória, sim, mas a intenção não era a de fazer
história. Só piloto um carro. E nesse sentido, é como competir em
qualquer outra categoria. Só que nesta ocasião se trata de um carro
completamente elétrico.

Efe: Sim, mas as estatísticas estão aí para isso. E você foi o primeiro a ganhar em um carro deste tipo. Não está contente?
R: Nesse sentido, tive a sorte de estar no lugar certo no momento certo. E venci
a primeira corrida da Fórmula E. Foi um grande êxito para mim e para
minha equipe, a Sport Abt. Sempre quero vencer. É um pequeno capitulo na
história do automobilismo, sim. Mas o que procuro é vencer sempre. E
isso não é sempre possível.

Efe: O que você espera que
aconteça em Putrajaya? Ficaria conformado em manter a liderança do
campeonato ou pensa em vencer pela segunda vez?

R: Penso em ganhar pela segunda vez. É muito breve para pensar no
campeonato. Nestes momentos estamos falando de ganhar corridas. E vamos
com a mentalidade necessária para buscar a vitória.

Efe: A categoria é nova. Já sabe quem serão seus principais rivais?
R: Todo mundo é muito forte. Pode-se ver a qualidade dos pilotos e das equipes,
que é muito alta. Por isso não posso colocar ninguém acima dos demais. O
que tenho que fazer é me fixar em mim mesmo e em fazer bem o meu
trabalho. Fazê-lo da melhor forma possível. Isso às vezes é suficiente
para vencer, mas outras, não.

Efe: Pilotos experientes
como o italiano Jarno Trulli e o alemão Nick Heidfeld, que subiram
várias vezes ao pódio na Fórmula 1, têm vantagem aqui? Ou não tem nada a
ver?

R: Claro, a experiência sempre influencia, em qualquer área de trabalho ou em qualquer aspecto da vida.
Mas aqui eles não estão sozinhos. Há “mega pilotos”, como (os
franceses) Stéphane Sarrazin e Nicolas Prost, (o suíço Sebastien) Buemi e
Bruno Senna. Há muitos pilotos muito bons, é um campeonato difícil, e
as jornadas de provas estão muito limitadas. E é preciso destacar que
todos temos carros idênticos, e por isso dependerá dos pilotos e das
equipes conseguir a melhor estratégia possível para a prova.


Efe: Você também competiu na Fórmula 1, cujo campeonato será decidido
neste fim de semana, em favor de um dos pilotos de Mercedes, o britânico
Lewis Hamilton ou o alemão Nico Rosberg. Como você vê este final? Acha
justo que a última corrida, em Abu Dhabi, tenha pontuação dupla?

R: Para mim realmente tanto faz quem vença o Mundial. Eles têm um carro
muito dominante, com o qual venceram quase todas as corridas. Portanto
não me preocupa quem vai ficar com o título.

Fonte: ESPN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *