Testes com modelo chinês indicam que veículo não é economicamente rentável

Investimento em ônibus elétrico no transporte coletivo de Joinville ainda é inviável

Modelo de fabricante chinesa foi testado na cidade entre os meses de março e maio

Além das alternativas não-motorizadas de locomoção, como a bicicleta, o transporte coletivo é tido como fundamental na resolução dos problemas de mobilidade nos centros urbanos. E se o ônibus for econômico, mais confortável e menos poluente que o modelo tradicional, melhor ainda. Essa foi a proposta do ônibus 100% elétrico testado em Joinville entre os meses de março em maio, numa parceria entre a Prefeitura, as empresas concessionárias do transporte coletivo e a BYD, fabricante chinesa do veículo.

Apesar da experiência interessante, os testes feitos nos itinerários das linhas 0700 Sul/Centro e 0200 Norte/Sul ainda não apontam o ônibus elétrico como uma opção viável, conforme avaliação das empresas, ao menos por enquanto. O que pesou na análise foi o quesito econômico. O retorno do investimento se daria em somente após 248,53 meses, ou seja, mais de 20 anos. Como o ônibus tem vida útil de 120 meses, não seria possível a sua remuneração dentro desse período. A cobertura da defasagem, consequentemente, implicaria em oneração da tarifa, o que não é considerado uma “solução razoável”.

Nesta análise, não foi levado em conta o custo de infraestrutura necessária nas garagens para o abastecimento do veículo, o que demandaria um investimento ainda maior. A bateria precisaria ser carregada a cada quatro ou cinco horas, dependendo da operação. Outros pontos observados na avaliação envolveram a autonomia do ônibus, de apenas 250 quilômetros (por carga), e a capacidade de transporte da carroceria, de apenas 80 passageiros (no ônibus convencional a capacidade é de 90 pessoas).

Em outros aspectos, os destaques do ônibus elétrico foram positivos. Na análise, as concessionárias informaram que o veículo atendeu aos requisitos operacionais e de conforto aos clientes. Além de não emitir poluentes e ter baixo nível de ruído, o ônibus era equipado com ar-condicionado. Os testes na cidade integraram iniciativas do município em buscar alternativas mais sustentáveis de locomoção, projetando melhorias de mobilidade urbana.

Modelos de ônibus elétrico, como o que passou por Joinville, vem sendo testado desde 2011 em diversas cidades do mundo, entre Nova Iorque, Bogotá e Londres. No país, o veículo já circulou experimentalmente por Brasília, Rio de Janeiro, Goiânia e Curitiba. A fabricante chinesa pretende iniciar a comercialização do modelo a partir do ano que vem. A adoção do veículo pelos municípios passa pela viabilidade financeira e por adequações no sistema de transporte público.

Por: João Batista
Fonte: Notícias do Dia

Um comentário em “Testes com modelo chinês indicam que veículo não é economicamente rentável

  • 16/03/2017 em 00:19
    Permalink

    É uma pena! Seria bastante interessante se todo o transporte público já fosse uma alternativa não-poluente. De qualquer forma, talvez o Poder Público pudesse aceitar alguma perda, em benefício meio-ambiente.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *