Primeiras impressões: Nissan Leaf traz tecnologias de carro de luxo

O Brasil está no radar do Nissan Leaf, o carro elétrico mais vendido do mundo. A nova geração foi apresentada recentemente e tivemos a oportunidade de experimentar o carro durante algumas voltas na pista da Nissan em Oppama, no Japão. Lançado em agosto de 2009, em oito anos o carro 100% elétrico da Nissan teve mais de 280.000 unidades vendidas. Cerca de 3,5 bilhões de quilômetros foram rodados com todos esses Leaf.

A nova geração começou a ser vendida em outubro e em menos de um mês recebeu mais de 19.000 encomendas. As novas baterias dão ao carro um alcance de 400 km, suficiente para ir de São Paulo a Curitiba. O novo Leaf utiliza 24 módulos de energia com quatro pequenas baterias de íons de lítio cada, totalizando 96 baterias. Ao contrário da primeira geração, que tinha um design ligeiramente futurista, o novo Leaf exibe um visual convencional – é relativamente ousado nas linhas, mas não a ponto de fazê-lo destacar-se no trânsito. E a ideia é exatamente essa: dar ao Leaf um aspecto de carro comum e perfeitamente integrado ao dia a dia das pessoas.

Mesmo apostando em um visual menos exótico, o novo Leaf ficou mais aerodinâmico. Seu centro de gravidade foi reduzido, o que deu a ele um comportamento mais adequado em curvas. Numa pequena prova de slalom no circuito de Oppama, pudemos sentir que a direção do Leaf é direta, facilitando as manobras rápidas. O design apresenta vincos acentuados nas laterais do capô, na linha de cintura (levemente ascendente) e nas lanternas traseiras. A frente é mais bonita do que a traseira e traz quatro lâmpadas Full LED com dois faróis auxiliares na parte de baixo do para-choque. A traseira tem as lanternas saindo fora da área imaginária da carroceria, numa clara imitação do Kicks brasileiro, mas o resultado não ficou bom. Visto por trás, o novo Leaf é estranho. Já as rodas de 17” são bonitas e têm cinco raios duplos em dois tons. O carro que dirigimos usava pneus 215/50 da Dunlop (modelo Enasave EC300).

O Leaf nunca foi a menina dos olhos do ótimo design da Nissan – e continuará não sendo. Mas, por dentro, o carro revela melhor suas qualidades. O espaço é muito bom, tanto na frente quanto no banco de trás. É um automóvel para cinco pessoas que não terão aperto nos joelhos, nas cabeças ou nos ombros. Mas, por causa das baterias (que tomam praticamente toda a parte inferior do carro), o assoalho é um pouco elevado e quem vai atrás fica com os joelhos mais altos em relação ao quadril, como se estivesse sentado em uma picape cabine dupla. Os bancos de tecido preto são bonitos e confortáveis.

Para além de ser um veículo 100% elétrico, o novo Leaf traz as melhores tecnologias de direção autônoma disponíveis na Nissan. Durante seis voltas e algumas manobras na pista japonesa, pudemos experimentar três sistemas: e-Pedal, e-Park e ProPilot. O sistema e-Pedal pode ser acionado manualmente em um botão no console e consiste em acelerar ou frear o carro usando apenas o pedal do acelerador (basta tirar o pé que o Leaf reduz rapidamente a velocidade e pare totalmente, se não for acelerado novamente).

Para colocar o carro no sistema ProPilot, é preciso apertar a tecla “set” no volante, marcar a distância mínima do veículo da frente e depois selecionar a velocidade desejada. Assim, o Leaf copia as faixas da estrada e faz até curvas sozinho, porém os engenheiros da Nissan pediram para mantermos as mãos no volante, por precaução. É um sistema bastante avançado para um carro dessa categoria. Finalmente, o e-Park estaciona sozinho, com vários carros de luxo, mas no sistema da Nissan é possível selecionar o lado e o ângulo desejados para a manobra de estacionamento.

Como todo carro 100% elétrico, o novo Nissan Leaf tem uma aceleração vigorosa. Suas retomadas são capazes de empurrar o corpo para trás – e o aumento da velocidade acontece de forma rápida. Dá para ir de 40-120 km/h em poucos segundos, o que é muito bom para ultrapassagens em estradas de pista simples. O carro que dirigimos tinha o volante do lado direito e isso atrapalha um pouco na utilização dos comandos, que ficam à esquerda ou invertidos, mas deu para sentir que eles são bem acessíveis e intuitivos. O painel agrada pela beleza, clareza e visualização. Mesmo sem ajuste de profundidade do volante (tem só de altura), é fácil encontrar uma boa posição para dirigir. Rodando, o barulho do vento é pequeno, menos que o da rodagem dos pneus.

Segundo o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva, a estreia do Leaf no mercado brasileiro acontecerá no Salão de São Paulo de 2018. Já as vendas só começarão no primeiro semestre de 2019. Ele esteve em Oppama acompanhando nosso test drive, mas não soube dizer quanto o carro vai custar, pois dependerá das regras que passarão a vigorar a partir de janeiro no programa Rota 2030, que substitui o Inovar-Auto. Pelos impostos de hoje, o novo Leaf pode custar até R$ 200.000. Porém, a Nissan espera que o Brasil inicie um processo de desoneração da comercialização de carros elétricos, o que pode fazer seu preço cair para R$ 120.000.

Considerando a tecnologia de eletrificação e de direção semi-autônoma que o Leaf trás, não é tão alto. Mesmo assim, para cumprir a missão que lhe será dada pela Nissan, de popularizar o mercado de carros elétricos, o Leaf precisará ter um preço mais acessível. Dessa forma, começará a construir uma base de mercado, coisa que a Toyota já começa a fazer com seu Prius híbrido.

Dados Técnicos

  • Preço no Japão: 3.150.360 JPY (R$ 90.982)
  • Motor: Elétrico EM57 de 40 kWh
  • Baterias: 96 de íons de lítio
  • Potência: 150 cv de 3.300 a 9.800 rpm
  • Torque: 32,6 kgfm de 0 a 3.3300 rpm
  • Direção: Elétrica
  • Tração: Dianteira
  • Dimensões: 4,480 m (c), 1,790 m (l), 1,540 m (a)
  • Entre-eixos: 2,700 m
  • Pneus: 205/55 R16 ou 215/50 R17
  • Porta-malas: 435 litros
  • Peso: 1.490 a 1.520 kg
  • Emissão de CO2: 0 g/km
  • Alcance: 400 km
  • Recarga elétrica: 16 horas (3 kW) ou 8 horas (6 kW)
  • Recarga elétrica rápida: 40 minutos

Por: Sergio Quintanilha
Fonte: Motor Show

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *