Movida lança serviço de aluguel de bicicleta elétrica em São Paulo

Terceira maior locadora de carros do país anuncia parceria com a start-up E-Moving.

A Movida, terceira maior locadora de carros do Brasil, anunciou na noite desta quinta-feira (9) que lançará um serviço de aluguel de bicicletas elétricas. Segundo a empresa, o serviço pode estar disponível nos próximos três meses.

Em fato relevante, a Movida informou que investirá R$ 1 milhão na start-up E-Moving, líder do país na locação desse tipo de veículo. A nova linha de negócios se chamará I-move.

Hoje, a start-up disponibiliza 400 bicicletas elétricas. Com o aporte financeiro, poderá fabricar e oferecer um número muito maior. A aliança estratégica é de cinco anos.

Os empresários estimam que há uma demanda represada de cerca de 20 mil bikes elétricas na capital paulista. Segundo Renato Franklin, presidente da Movida, o mercado brasileiro pode seguir a tendência de crescimento que o nicho apresenta nos Estados Unidos e na Europa.

A empresa quer focar em pessoas que ficam presas em congestionamentos diários para se deslocar até o trabalho.

“Quando o trajeto é curto, uma bicicleta normal atende a necessidade. Quando se trata de uma distância maior, a elétrica faz muito sentido. Pode ser usada na ciclovia como na rua, a uma velocidade máxima de 25 quilômetros por hora”, diz.

De acordo com a Abraciclo, foram comercializadas mais de 35 milhões de unidades no mundo em 2016. Ásia e Europa são os mercados mais maduros. Nos últimos seis anos, a China vendeu mais e-bikes do que carros.

Um relatório Navigant Research sugere que, até 2025, as vendas de bicicletas elétricas podem gerar receitas anuais de US$ 24,3 bilhões.

O mercado brasileiro ainda é incipiente. Gabriel Arcon, presidente da E-Moving, destaca que a venda de e-bikes no país representa 0,2% do mercado total de bicicletas. Em países pouco mais desenvolvidos, o número supera 1,5%.

Por isso, ele vê potencial no Brasil, em especial nas metrópoles. Em São Paulo, a média de distância que o cidadão percorre para ir ao trabalho é de 7,8 quilômetros.

O diferencial da empresa está no aluguel mensal e anual, não diário ou com foco turístico. Segundo Arcon, sua clientela hoje é formada por uma maioria de executivos, de 35 a 45 anos, das classes A e B.

“Nosso aluguel é de R$ 219 por mês, o que dá cerca de R$ 7 por dia. Se você fizer qualquer corrida com aplicativo, paga em torno de R$ 9”, diz.

O mesmo modelo será replicado na I-move.

Ele explica que outro atrativo são os planos corporativos: empresas que oferecem a e-bike como alternativa de transporte a funcionários, uma modalidade moderna de vale-transporte.

Como as bicicletas elétricas são caras (podem chegar a R$ 9 mil), a marca optou pela entrega dos veículos direto na unidade física da empresa. O modelo não será igual ao das bicicletas do Itaú ou do Bradesco, por exemplo.

Lançada em 2015, a E-Moving cresce 13% ao mês. Os maiores competidores são as lojas que vendem e-bikes.

LUCRO DA MOVIDA TRIPLICA
Os negócios da Movida vão bem. No segundo trimestre de 2018, o lucro líquido da empresa foi de R$ 39,9 milhões, 258,6% maior que o do mesmo período de 2017, com margem líquida de 14,5%.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização da Movida cresceu 65,3% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, atingindo R$ 118,2 milhões.

Renato Franklin diz que o aluguel de automóveis conseguiu se beneficiar durante a crise. Brasileiros que antes viajavam para o exterior passaram a optar por viagens curtas, e a alternativa de locação virou uma opção vantajosa.

“No segundo trimestre do ano, período que costuma ter demanda baixa, fizemos a maior taxa de ocupação na história do aluguel. A alta do dólar fez com que as pessoas viajassem dentro do Brasil”, diz.

No segundo trimestre, a taxa de ocupação da categoria Rent a Car (segmento varejista) foi de 77,4%, um crescimento de 20% no número de diárias na comparação com o mesmo trimestre de 2017, que totalizou 3,3 milhões. Franklin destaca que a classe C também aumentou a participação nesse mercado.

No fato relevante divulgado a acionistas, a Movida comunicou que se torna “a única locadora do país que oferece múltiplas soluções para mobilidade urbana, unindo carro, trikke e aluguel de bicicletas elétricas”.

[Por: Paula Soprana | Fonte: Folha de São Paulo]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.