Unicamp e Nissan assinam convênio para estudar bioetanol em carros elétricos

A pesquisa será feita pelo Laboratório de Genômica e BioEnergia da instituição. Previsão da montadora é lançar modelos com a tecnologia em até seis anos.

A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a montadora japonesa Nissan assinaram, na sexta-feira (26/04), um convênio para que a instituição de ensino realize estudos de utilização do bioetanol em carros elétricos.

A pesquisa será feita pelo Laboratório de Genômica e BioEnergia da unidade e, de acordo com o presidente da empresa, a previsão é de que modelos com a tecnologia sejam lançados em até seis anos primeiro no Brasil e depois em outros países.

No final de 2018, a montadora começou a pré-venda de seu primeiro carro elétrico no país. O Leaf custa R$ 178,4 mil e utiliza tecnologia de recarregamento das baterias apenas na tomada.

Convênio de 4 meses
O acordo foi assinado pelo reitor da Unicamp, Marcelo Knobel e o presidente da Nissan do Brasil, Marco Silva. A primeira etapa do convênio da montadora com o laboratório da unidade tem prazo de quatro meses.

No período, os pesquisadores farão análises, pesquisas e desenvolvimento de produtos para demonstrar a viabilidade do etanol de segunda geração – extraído da cana-de-açúcar – na mobilidade elétrica.

De acordo com a Nissan, o uso do bioetanol não tornará o carro elétrico um conjunto híbrido. A utilização do combustível é estritamente para criar uma nova forma de geração de energia e recarregar as baterias do veículo.

A ideia é colocar o etanol em uma Célula de Combustível de Óxido Sólido (SOFC, na sigla em inglês) para que ocorra uma geração química e existam outras opções para carregar o modelo, além de plugá-lo na tomada.

“Precisamos fazer ajustes de motor, ajustes da célula de combustível, precisamos inclusive diminuir o custo dessa célula de combustível, mas vamos fazer isso em um combustível que o Brasil é líder mundial, que é um combustível limpo e podemos fazer a diferença como país”, explicou Marco Silva.

Testes
Depois dos quatro meses de pesquisa, a ideia do convênio é fazer novos testes em um protótipo já desenvolvido pela Nissan em 2016 e atualmente está no Japão. A van eNV200 já foi testada no Brasil em 2017 em uma espécie de primeira geração da tecnologia. A ideia agora é avançar para a segunda geração, com a utilização do bioetanol, baseado nos estudos realizados na Unicamp.

De acordo com a montadora, o uso do etanol geraria uma autonomia de 600 km no veículo. “É um projeto muito importante para a gente, sabemos que os carros elétricos são passos muito importantes para a melhora na mobilidade e esperamos contribuir na nossa pesquisa e também com outras pesquisas em outros projetos deste tamanho”, disse o reitor Marcelo Knobel.

Redução de poluentes
O professor do Laboratório de Genômica e BioEnergia da Unicamp, Gonçalo Pereira, afirmou que o uso do bioetanol nos carros elétricos tem a intenção de reduzir os poluentes emitidos pelos modelos.

“O uso do bioetanol para gerar energia no carro reduz a emissão de CO2 [gás carbônico], não polui, não provoca queima, é muito mais eficiente do ponto de vista enérgico”, afirmou o professor.

[Fonte: G1 Campinas e Região]

veiculoeletrico

Tudo sobre carros elétricos, veículos elétricos, motos elétricas. As últimas novidades do setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.