McLaren afirma que até 2030 todos os seus carros serão elétricos

Que o mundo do automóvel está agora completamente voltado para o caminho da eletrificação é praticamente um fato consumado. No entanto, há notícias que têm um efeito particular no imaginário coletivo. Se algum fabricante “generalista” anunciasse uma conversão iminente para uma produção exclusivamente elétrica, de fato, não seria muito surpreendente. Mas se é uma lenda do esporte como a McLaren quem está dizendo isso, então você fica sem palavras.

Algumas semanas atrás, vimos a apresentação da nova joia de Gordon Murray: o T.50, herdeiro do McLaren F1 de 1993, que é movido pelo que muitos chamam de motor de combustão interna mais avançado da história. Sem esquecer que o Senna, substituto do P1 (que era um híbrido), era fortemente inclinado a 100% combustão interna.

No entanto, esses carros esportivos ingleses a combustão logo serão uma lembrança. Em entrevista ao Financial Times, o número um da McLaren, Mike Flewitt, anunciou que a empresa, a partir de 2030, passará a produzir apenas carros equipados com motorização 100% elétrica.

“Nos próximos dez anos continuaremos a produzir motores híbridos, a gasolina e elétricos e continuaremos a vendê-los, mas em 2030 só produziremos carros elétricos e estamos convencidos de que em 2035 a maior parte do mundo terá tomado o mesmo lado: a favor da mobilidade com emissões zero”.

McLaren P1

Essas são as palavras com que o CEO da McLaren queria definir e apresentar a estratégia futura de uma das marcas esportivas mais apreciadas e vencedoras de todos os tempos.

Enquanto isso, o fabricante de Woking continuará a desenvolver os mais recentes modelos a gasolina e híbridos enquanto se aguarda o lançamento do primeiro e histórico McLaren de energia 100% elétrica, que não deve chegar antes de 2025. E que, neste ponto, poderia se oferecer como uma alternativa ao Lotus Evija e aos muitos outros hipercarros movidos a bateria que virão, incluindo o da Pagani. E não só isso, porque como vimos o primeiro supercarro de hidrogênio também está chegando.

Além disso, para o desenvolvimento e construção dos novos modelos, o CEO da McLaren confirmou que pelo menos 60% dos componentes serão produzidos diretamente no Reino Unido, incluindo as caixas de câmbio que, até agora, eram adquiridas na Itália.

Se a estratégia futura da marca britânica parece clara, a esta altura nos perguntamos o que outros fabricantes farão que se concentrem em carros de luxo e de alto desempenho. Já sabemos da Lotus: o amanhã em Gaydon será elétrico.

Na Inglaterra, a mobilidade eco-sustentável é quase imposta por um governo que quer proibir a venda de carros com motor térmico em muito pouco tempo. Porém, entre os fabricantes britânicos, também existem aqueles que remam contra a maré. Mais por necessidade do que por vontade, para dizer a verdade. A Aston Martin, que não navega em águas calmas, no início de 2020 foi forçada a interromper o desenvolvimento da Rapid E devido aos custos excessivos.

E na Itália? A Ferrari está trabalhando em um carro totalmente elétrico para ser apresentado nos próximos anos (espera-se que a tecnologia da bateria dê os passos necessários, como disse Louis Camilleri).

O elétrico também chegará em Sant’Agata Bolognese. Não há notícias confirmadas, mas os muitos conceitos com baixo impacto ambiental sugerem que o futuro também terá emissões zero para a Lamborghini. Mas não sabemos como e quando. Por sua vez, a Maserati, outra marca icônica do Vale do Motor, tem a estreia do primeiro elétrico mais iminente.

E, como vimos, a Itália tem tudo para se tornar o centro do mundo para o desenvolvimento de carros esportivos elétricos. Uma oportunidade que não pode ser desperdiçada.

[Via: InsideEVs]

veiculoeletrico

Tudo sobre carros elétricos, veículos elétricos, motos elétricas. As últimas novidades do setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.